Marinésio Olinto vai a júri popular no DF pela morte de Genir Pereira, nesta segunda (18)

marinesio.jpg

Marinésio de Sousa Olinto — Foto: Polícia Civil do DF/Divulgação

Assassinato da empregada doméstica, de 47 anos, foi em junho de 2019. Marinésio já foi condenado por outro feminicídio e por crimes sexuais; g1 tenta contato com defesa

http://www.instagram.com/gov_df

O Tribunal do Júri de Planaltina, no Distrito Federal, julga, nesta segunda-feira (18), o cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto pelo assassinato da empregada doméstica Genir Pereira de Sousa, em junho de 2019. Apontado como “maníaco em série”, ele já foi condenado pelo feminicídio da advogada Letícia Curado, que ocorreu no mesmo ano, além de uma série de crimes sexuais (relembre abaixo).

‘Maníaco em série’: Marinésio Olinto acusado de assassinar funcionária do MEC, Letícia Curado — Foto: Reprodução

O julgamento ocorre quase três anos após o assassinato de Genir. A vítima desapareceu depois de sair do trabalho, no Paranoá. O corpo dela só foi encontrado na semana seguinte.

Marinésio Olinto está preso desde agosto de 2019. 

O assassinato de Genir

Genir Pereira, empregada doméstica assassinada por Marinésio Olinto, participou de campanha do Metrô-DF no Dia Internacional da Mulher de 2017 — Foto: Metrô-DF/Reprodução

Após ser preso pela morte da advogada Letícia Curado, Marinésio confessou o assassinato de Genir Pereira, praticado dois meses antes. Segundo a Polícia Civil, ele fingiu ser motorista de transporte pirata e atacou a empregada doméstica.

A dona da casa onde Genir trabalhava foi quem comunicou o sumiço à polícia. Segundo a empresária, em 15 anos de trabalho, ela nunca tinha faltado sem avisar.

O corpo de Genir foi encontrado em uma região entre Planaltina e o Paranoá, no dia 12 de junho de 2019. Pelo crime, o Ministério Público do DF (MPDFT) denunciou Marinésio por homicídio quintuplamente qualificado, além de estupro e omissão de cadáver.

‘Maníaco em série’

Após a descoberta dos casos, Marinésio Olinto foi ligado a uma série de crimes sexuais, envolvendo, pelo menos, 11 mulheres em Brasília.

Ele já foi condenado, a mais de 34 anos, pela morte de Letícia Curado e também sentenciado a 10 anos de prisão pelo estupro de uma adolescente de 17 anos, e por importunação sexual contra uma vítima. Em um outro caso de estupro, em Sobradinho, Marinésio foi absolvido.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top