Brasil tem 21 casos confirmados de varíola dos macacos, informa Ministério da Saúde

Macaco.jpg

Varíola dos macacos é semelhante à varíola que já foi erradicada, mas menos severa e menos infecciosa — Foto: SCIENCE PHOTO LIBRARY/BBC

Casos estão em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul; outros 23 casos estão sendo investigados em 11 estados e no Distrito Federal

http://www.instagram.com/gov_df

O Ministério da Saúde informou, nesta quarta-feira (29), que o Brasil tem 21 casos confirmados de varíola dos macacos (“monkeypox”). Outros 23 casos estão sendo investigados.

Em nota enviada ao g1, a pasta informou que os casos confirmados estão em São Paulo (14 casos), Rio de Janeiro (5 casos) e Rio Grande do Sul (2 casos).

Já os 23 casos investigados estão nos seguintes estados:

  • Ceará: 4
  • Paraná: 3
  • Rio de Janeiro: 3
  • Rio Grande do Sul: 2
  • Santa Catarina: 2
  • Acre: 2
  • Minas Gerais: 2
  • Goiás: 1
  • Espírito Santo: 1
  • Rio Grande do Norte: 1
  • Distrito Federal: 1
  • Mato Grosso do Sul: 1

O que é a varíola dos macacos?

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada.

A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

  • Por contato com o vírus – com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.
  • De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;
  • Da mãe para o feto através da placenta;
  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;
  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top