Home Deputado Distrital Distrital Daniel Donizet volta a administrar regional do Gama

Distrital Daniel Donizet volta a administrar regional do Gama

41
0
Compartilhar
Daniel Donizet em discurso na Câmara Legislativa do DF — Foto: TV CLDF/Reprodução

Para assumir cargo, deputado deixou cadeira na Câmara Legislativa. Suplente Kelly Bolsonaro vai ocupar vaga; entenda

O deputado distrital Daniel Donizet (PSDB) voltou a administrar a regional do Gama. A nomeação do parlamentar para o cargo foi publicada em edição suplementar do Diário Oficial do Distrito Federal de terça-feira (9). A vaga de Donizet na Câmara Legislativa ficará com a suplente Kelly Bolsonaro (PRP) (veja abaixo).

O retorno do político para a Administração Regional do Gama marca a quarta mudança na gestão da pasta em um período de menos de dois meses. A primeira a comandar a região em 2019 foi a advogada Juliana Navarro.

Após desavenças com Daniel Donizet, a advogada foi afastada do cargo pelo governador Ibaneis Rocha (MDB). O parlamentar era crítico da atuação de Juliana Navarro e chegou a proferir no dia 23 de abril, declarações ofensivas a ela na tribuna da Câmara Legislativa (veja vídeo abaixo).

À ocasião, o deputado chamou Juliana Navarro de “maluca”, “administradora de m…”, incompetente, e disse que ela “deve estar passando por algum problema mental”.

Com a decisão de Ibaneis, o distrital assumiu a administração do Gama em 22 de maio. No entanto, em junho, o político voltou para a Câmara Legislativa. Antes de sair, ele deixou a cadeira para José Elias de Jesus – integrante do grupo político de Donizet.

A gestão de José Elias, no entanto, durou menos de um mês. Com a volta de Daniel Donizet, José Elias assumiu a chefia de gabinete do parlamentar.

Deputada distrital Kelly Bolsonaro durante cerimônia de posse na CLDF — Foto: Reprodução/Youtube

A vaga de Daniel Donizet na Câmara Legislativa será ocupada novamente pela primeira suplente do Patriota, Kelly Bolsonaro.

Apesar de Donizet atualmente integrar o quadro do PSDB, ele foi eleito pelo então PRP – partido incorporado ao Patriota – e trocou de sigla após a posse. Mesmo com a mudança, a vaga ficou com com a primeira legenda.

Kelly Bolsonaro tem 32 anos e disputou eleições pela primeira vez no ano passado, quando recebeu 5.412 votos válidos. Ela será a quinta mulher com mandato na CLDF nesta legislatura.

Apesar do sobrenome em comum, Kelly não tem parentesco com o presidente Jair Bolsonaro (PSL). O nome de batismo dela é, na verdade, Kelly Cristina Pereira dos Santos.

Ela adotou o sobrenome antes mesmo das eleições de 2018 e o carregou durante a campanha, na qual defendeu a eleição do presidente.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here