Arniqueira recebe agentes de vigilância ambiental no combate à dengue

Os-15-nucleos-possuem-equipes-que-realizam-trabalho-de-campo-visitando-casas-predios-terrenos-e-orientando-a-populacao.-Foto-divulgacao-2.jpeg

Os 15 núcleos possuem equipes que realizam trabalho de campo, visitando casas, prédios, terrenos e orientando a população - Foto - Divulgação

Na região administrativa, foram visitados 550 imóveis e localizados quatro focos de proliferação do mosquito

http://www.instagram.com/gov_df

O trabalho de combate à dengue continua no Distrito Federal. Nesta quinta-feira (26), agentes de vigilância ambiental da Secretaria de Saúde atuaram em Vicente Pires. No sábado (28), será a vez da Estrutural. Nesta última, o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) trabalhará em conjunto com os profissionais da Secretaria de Saúde.

Na tarde de quarta-feira (25), 30 agentes de vigilância ambiental foram até a região administrativa de Arniqueira para exterminar focos do Aedes aegypti. Eles estiveram nos conjuntos 4 e 5, locais onde havia maior incidência de casos de dengue. Lá, visitaram 550 imóveis, localizados nas chácaras 69, 70, 78, 79, 80, 81 e 82 do conjunto 4; e nas chácaras 125, 126 e 127 do conjunto 5. No total, foram localizados quatro locais com proliferação dos mosquitos transmissores da doença.

A ação foi coordenada pelo Núcleo de Vigilância Ambiental Guará, que cuida de seis regiões administrativas, incluindo Arniqueira. Os agentes orientaram os moradores sobre medidas amplamente difundidas para combater o Aedes aegypti.

É preciso, por exemplo, deixar vasos de plantas sem água parada, evitar acumular lixo e ficar de olho até mesmo na casinha do cachorro. “Tem que lavar pelo menos uma vez por semana”, recomendava aos moradores o agente Aquiles Júnior.

A chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental Guará, Herika Marques, enfatizou que “os ovos da fêmea do Aedes aegypti ficam preservados até 450 dias em locais secos e basta o contato com a água para eclodirem”. Ela ressalta que o apoio dos moradores é fundamental. “A gente não consegue agir sozinhos. A população precisa estar junto para evitar que o mosquito nasça”, reforçou.

De acordo com o administrador regional de Arniqueira, Joseli de Souza, popularmente chamado de Zezinho, o combate ao mosquito é “um caso de guerra onde o GDF e a comunidade são fortes aliados”. Ele orientou que a “limpeza dos lotes e o descarte correto dos resíduos sólidos são as grandes armas de defesa”. O gestor ainda assegurou que os moradores, lideranças, empresários e síndicos locais podem contar com a sua administração neste combate.

Parceria para o combate

Desde o início do ano, a Secretaria de Saúde vistoriou 1,5 milhão de imóveis em todas as regiões administrativas do DF. Órgãos como CBMDF, DF Legal, Serviço de Limpeza Urbana (SLU), Secretaria de Segurança Pública (SSP), Defesa Civil, Departamento de Trânsito (Detran), Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), entre outros, auxiliam a pasta nas ações de combate.

A Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) conta com 15 núcleos de vigilância ambiental espalhados pelas regiões administrativas. Cada núcleo possui equipes que realizam trabalho de campo, visitando casas, prédios, terrenos e orientando a população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top